OSTEOPATIA

OSTEOPATIA

Numa altura em que se fala muito das Terapias Não Convencionais, a Osteopatia é uma das 6 terapias que estão a ser regulamentadas pelo estado português, para fazerem parte do nosso sistema de saúde.  Mas o que é a Osteopatia?  Para entendermos melhor o que é a Osteopatia é importante referir o que ela não é:  – não é “estalar” ossos  – não é ser “endireita”  – não é Esoterismo  – não é uma medicina alternativa  “A Osteopatia é uma profissão de cuidados de saúde primários, que se foca no diagnóstico, tratamento, prevenção e reabilitação de transtornos músculo-esqueléticos e suas repercussões no estado de saúde geral do paciente.”  Still, A. T. (1902) The Philosophy and Mechanical Principles of Osteopathy.  A Osteopatia foi criada pelo médico americano Andrew Taylor Still no final do Século XIX, em que através da observação e investigação que realizou, encontrou uma correlação entre as patologias e as suas manifestações físicas.  O princípio da Osteopatia é prevenir ou tratar distúrbios funcionais do corpo, excluindo doenças orgânicas que necessitam de intervenção terapêutica, medica, cirúrgica, medicamentos ou agentes físicos como infeções virais, degenerativas, bacterianas ou genéticas.  A Osteopatia trata do corpo no seu conjunto. A sua ação passa por uma ligação fisiológica importante com o Sistema nervoso.   O organismo é uma máquina vital, uma estrutura anatómica com funções fisiológicas, que permanecerá saudável enquanto a estrutura permanecer normal. Mas se a estrutura se alterar, ocorrerão efeitos adversos ao seu funcionamento.  “… Há que tratar pacientes e não tratar doenças!…”  Porquê o nome Osteopatia?  Osteopatia não é uma doença ou não se refere a uma doença de ossos. É um termo que engloba os princípios básicos da ciência. Os ossos são a fundação sobre a qual as partes moles assentam. Os Osteopatas utilizam os ossos como pontos de referência para examinar o resto do corpo.  Para quê ou para quem?  As técnicas osteopáticas visam a aliviar os sintomas de condições relacionadas com as seguintes áreas: Sistema músculo-esquelético: reumatismo, lombalgias, entorses, tendinites, dores que ocorrem nas costas, pescoço, doenças que atingem as articulações, etc.;  Sistema visceral: constipação, diarreia, flatulência;  Sistema craniano: dores de cabeça, infeções crónicas de ouvido, tonturas, zumbido, sinusite crónicas, cólicas, etc.  Existem também técnicas específicas e orientadas para o Desporto (osteopatia desportiva) e para crianças (osteopatia pediátrica).  A Osteopatia ajuda o indivíduo a reencontrar a sua função natural dando mobilidade a todas as suas articulações.  “Encontra a causa, remove-a e o efeito desaparecerá”.  Cristina Coelho

OSTEOPATIA GESTACIONAL E GINECOLOGICA

O ciclo da mulher é gerido por um equilíbrio dos mecanismos fisiológicos dependentes, por um lado, do sistema nervoso autónomo, por outro lado de diferentes secreções hormonais assim como pela psique.   O tratamento alopático proposto para os distúrbios funcionais é muitas vezes excessivo e raramente sem efeitos colaterais. De facto, no caso de uma disfunção mecânica, o medicamento vai tratar os efeitos e não a causa, o que resulta que as mulheres são levadas a tratamentos cada vez mais penosos. A osteopatia, no entanto, porque se baseia no princípio da causa e efeito, pode ser importante nos desequilíbrios ginecológicos que perturbem a mulher em sua vida mais íntima. Inicialmente, o osteopata trata de forma holística, o que muitas vezes é suficiente para resolver um problema ginecológico. Por exemplo, algumas dismenorreias podem também vir de uma disfunção do sacrilíaca.   O fundador da osteopatia, A. T.Still, , defendia  que  para manter ou recuperar a saúde, o movimento é a vida, e que qualquer restrição da mobilidade leva à perda de função. Isto aplica-se nem só na parte estrutural do ser humano como nas vísceras. Disfunções do foro ginecológico tal como TPM, Amenorreia e dismenorreia podem ser tratadas com Osteopatia, além de outras patologias tal com problemas de Infertilidade.   Na gravidez, a Osteopatia utiliza técnicas manuais leves e não invasivas, mantendo o equilíbrio neurovegetativo e facilitando a adaptação aos novos volumes internos das vísceras.   A Osteopatia na Gravidez melhora o desenvolvimento fisiológico do feto, o estado de saúde físico e emocional da mulher grávida preparando-a para o parto.   A Osteopatia também tem um papel fundamental no Pós-parto.   A Segurança da mãe e do feto são prioridade do Osteopata

Cristina Coelho

OSTEOPATIA PEDIATRICA

O parto pode ser dos primeiros traumas que o bebé tenha. Parto longo ou curto, pode prejudicar o funcionamento das estruturas cranianas. Por vezes difícil, necessita de fórceps ou ventosas que vão influenciar a mobilidade das articulações do crânio e causar perturbações funcionais imediatas e subsequentes. Muitas vezes, os recém nascidos nascem com a cabeça ligeiramente deformada, crânio tipo “ovo”, um olho mais fechado que o outro, uma orelha mais para a frente, o nariz ligeiramente esmagado….  Os pais acham que vai passar… Aparentemente sim, mas o equilíbrio do crânio está quebrado e é uma disfunção do foro osteopático. Nos EUA, a Dra Viola Frymann estudou numa maternidade californiana 1200 bebés até aos 5 dias de idade. 12% tinham o occipital bloqueado. Cada nascimento deveria ser seguido de um exame osteopático, como já existe na Suíça por exemplo.   Quando devemos fazer consulta com bebé? – Quando houve um parto com epidural ou provocado – Quando o parto demorou muito tempo (mais de 8h) ou tempo a menos (menos de 2h) – Em caso de nascimento duplo (gémeos) – Quando a apresentação do bebé foi pélvica, frontal ou transversal – Quando a cabeça foi puxada com muita força – Quando nasce com o cordão umbilical à volta do pescoço – Quando houve força em cima da barriga da mãe para ajudar na expulsão – Utilização de fórceps ou ventosas – Cesarianas de urgência – Sofrimento fetal, reanimação do bebé   Aprende a observar o seu bebé e faça uma consulta caso: – Arqueia-se muito para trás quando pegado ao colo ou a comer – Bebé assustado com qualquer tipo de barulho – Dificuldade em segurar a cabeça – Choro intenso – Problema de sucção – Má digestão – Cólicas / Obstipação – Queda – Má posição dos pés – Cabeça posicionada sempre do mesmo lado – Otites, bronquite, sinusite, respiração forte Crianças   – Tudo o que acontece no parto tem reflexo no crescimento da criança e do próprio adulto. Todos os sintomas, disfunções e patologias referidas para os recém nascidos também podem ser tratados em crianças mais velhas, e até adultos.     TRATAMENTO OSTEOPÁTICO: um exame manual suave das diferentes mobilidades fisiológicas (crânio, sacro, abdómen) onde poderá ser detetado disfunções menores na origem desses distúrbios. Mesmo que a criança não apresente sintomas, um tratamento osteopático é preventivo no bom crescimento do seu bebé.   Cristina Coelho  voltou ao ZEN & TERAPIAS, agora com  este  trabalho…

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s